segunda-feira, 16 de maio de 2016

Teologia leiga...sei...ou Não sei?



Oi Amiga, Oi Amigo,

O leigo e a leiga são sempre povo de Deus, ou seja, não um povo qualquer, mas o povo com o qual Deus se relaciona e se faz presente em suas realidades históricas. Teologia leiga é Teologia Povo de Deus.

Falta ainda uma direção para essa Teologia Povo de Deus. Será uma Teologia para o povo de Deus ou a partir do povo de Deus? Existe aqui uma diferença significativa de concepção. A primeira nos remete a uma teologia que se sistematiza de forma independente, fora da realidade do povo de Deus. São definidos os conceitos teológicos e em seguida aplicados à realidade humana. A segunda direção é por uma teologia sistematizada dentro da realidade do povo de Deus. Ela nasce no ambiente deste povo.

Para decidirmos entre uma ou outra direção utilizaremos Lc 11,29-32, quando Jesus responde aos questionamentos do povo, dizendo que para aqueles que precisam de sinais, será dado apenas o sinal de Jonas. O profeta Jonas e sua pregação em Nínive demonstram bem essa problemática da teologia “de fora para dentro” (quando sistematizada e em seguida aplicada à realidade do povo) e a teologia “de dentro para fora” (quando nasce no ambiente do povo e em seguida se sistematiza).

A pregação de Jonas encontra um povo condenado com a injustiça social. É um povo pagão, que com uma atualização para os nossos dias, é um povo qualquer, que não professava a mesma fé que o profeta Jonas. Pela pregação o povo se arrepende e, por isso, acaba sendo salvo por Deus. Não deixaram de ser pagãos, o que irrita profundamente o profeta Jonas. A teologia de Jonas é “de fora para dentro”, por isso não compreende como esse tipo de atitude pode libertar, por não conseguir enquadrar tal atitude nas definições desta teologia. A salvação de Deus acontece pela mudança de atitude dos ninivitas e a partir disto, se constrói a teologia da salvação de Deus. A pregação de Jonas, o arrependimento e a salvação dos ninivitas apresentam o caminho da teologia “de dentro para fora” como a direção que deve seguir uma teologia e, portanto, ser teologia a partir do povo de Deus.

A teologia do profeta Jonas indica outro caminho, porém o profeta faz o que Deus mandou, mesmo não concordando. Esse desacordo será motivo do último diálogo do livro, entre Jonas e Deus.

Mesmo que a teologia aponte um caminho inadequado, a missão do profeta se realiza porque Deus e seus caminhos se apresentam antes da teologia. Pela missão, pelo anúncio e pela conversão, os ninivitas são salvos, mesmo contra tal teologia. É preciso, portanto, desenvolver outra teologia que parte da realidade desses ninivitas, uma teologia “de dentro para fora”.

Jesus apresentou o sinal de Jonas como o único sinal, e nos arriscaríamos a dizer, como único caminho possível para a teologia. Qualquer tipo de teologia que não aflore e não se vitalize na realidade do povo de Deus, não faz parte do que o sinal de Jonas indicou, e não pode ser também sinal do Reino inaugurado por Jesus.

Juan L.Segundo, importante teólogo latino-americano, nos alerta para um perigo ao utilizarmos esta direção: “O homem encontrará o Deus vivo unicamente no homem e em sua história. Não nas alturas, nem no além. Mas, por outro lado, não conseguirá captar o Deus vivo somente a partir da história do homem. Deus se revela na história, mas não aflora da história”

Precisamos ter o cuidado de não construirmos Deus pela nossa realidade. A teologia acontece a partir do povo de Deus, mas com o dado da Revelação atualizado pela teologia. “Todas as funções e estruturas eclesiais, desde o magistério ao sacramento, do pontificado ao laicato, não tem outro sentido senão a tradução criadora de uma mensagem falada em outras circunstâncias, aos problemas que levanta hoje o homem sujeito à história”. É o que o teólogo chama de “sensibilidade histórica”. É esta sensibilidade que faz com que a teologia perceba a realidade do povo de Deus, realize a interação com esta realidade, se torne atual e seja relevante como elemento de construção do Reino. Por isso, além de estar presente na realidade do povo de Deus, é necessário também percebê-la em suas estruturas (sensibilidade), integrando a ela o dado da fé. Esta é a teologia a partir do povo de Deus.

Falar de uma teologia a partir do povo de Deus é falar ao mesmo tempo de uma teologia situada nas realidades deste povo, mas também de uma teologia crítica e coerente com a Revelação. Ser coerente é ser sensível, sendo capaz de exercer o discernimento. O teólogo e a teóloga devem estar em constante processo de discernimento, onde possam perceber quando a sua teologia leva à salvação, e quando leva ao deserto ou ao fundo do mar.

O leigo e a leiga são povo de Deus. Teologia leiga é teologia Povo de Deus. Como? A partir do povo de Deus, atualizando o dado da fé Revelada. Não há sentido em um caminho diferente, pois condenaria os ninivitas de ontem, de hoje e de amanhã. A irritação do profeta Jonas nos mostra a dificuldade e nos desafia a transformarmos a teologia que aparece como senhora da verdade, para sua real função, a de serva desta Verdade.

Rodrigo
Rodrigo é Teólogo, Engenheiro e portador de E.M. (Esclerose Múltipla). Vive em Tapiraí, SP, Brasil. Depois de saber que tinha a E.M. conheceu outros portadores que o ensinaram muito sobre como viver diante de dificuldades físicas.

2 comentários:

  1. OI RODRIGO,DIFICIL ENTENDER TEOLOGIA,SE OS NINIRAS SÓ SE ARREPENDERAM DA BOCA PRA FORA,EU NESSE MUNDO CRUEL ,NÃO SEI SE VOU PARA ESQUERDA OU DIREITA
    ABRAÇOS

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. OI LUCYARA, TUDO BEM? SEI QUE DECIDIR PARA QUE LADO VAMOS É DIFÍCIL ASSIM COMO ERA PARA JONAS. O ARREPENDIMENTO FOI DIFÍCIL PARA ELES POIS ELES DOMINAVAM TUDO NA ÉPOCA. NO FINAL DO LIVRO DE JONAS, NO CAP 4, TEM UM DIÁLOGO DE JONAS COM DEUS. NO HEBRAICO TEM VARIAS FORMAS DE CONTAR O NUMERO DE PALAVRAS. ESSE NUMERO É IGUAL E MOSTRA UMA COMUNICAÇAO DE DEUS CONOSCO IGUAL A QUE NÓS TEMOS COM ELE. ELE FALA CONOSCO DE MANEIRA QUE NÓS ENTENDEMOS! ELE CONTINUA CONOSCO. SEJA PARA A ESQUERDA OU SEJA PARA A DIREITA! É SEMPRE!!!O TEMA DO DIA MUNDIAL DA EM É 'INDEPENDENCIA'. CHEGAMOS A INDEPENCENCIA PELOS NOSSOS ATOS!ABRAÇOS

      Excluir